sexta-feira, 27 de setembro de 2013

vais-te abster seu burro?

Tu pertences ao tipo de portugueses mais abominável. Achas-te acima dos outros, mais culto, mais informado, bem sucedido. Mas não prestas. Tu és daqueles que se contenta com o vencimento no fim do mês, certinho, nem que seja de apenas 500 euros, mas é aquilo que tu achas que vale o teu trabalho. Recusas participar nos actos eleitorais porque consideras os políticos uma seita de corruptos, mas tu és o principal contribuidor para que eles por aí surjam. Tu não queres saber, tu apenas gostas de emitir opiniões tentando demonstrar a tua superioridade moral, mas no fundo és pior do que aquele que vende o seu voto para a filha ter um emprego. Esses eu respeito, fazem o que podem para conseguir os seus intentos. Vão lá votar, gostam que quem está no poder continue porque é garantia da situação financeira que possuem. Mas tu emites críticas sobre esse tipo de comportamento mas nada fazes para o modificar. Na altura em que te é dada essa oportunidade tu falhas, tu não apareces, tu ignoras. Não prestas. É por causa de gente como tu que o lodo invadiu o país e a tua cidade, a qual tu não te cansas de dizer no facebook que é "linda". Não prestas porque andas a dizer a toda a gente que não vais votar no domingo com o argumento de que para ficar pior mais vale estar como está. Continua assim, continua a contribuir para que o lodo aumente.



quinta-feira, 26 de setembro de 2013

demagogia e populismo do candidato do cds

Já fiz referência ao facto de o CDS ser o partido que destruiu a cidade da Póvoa de Varzim, tal como ela foi delineada desde o início do século passado. Foi um horror, um crime contra a estética da cidade, algo indesculpável e imperdoável. Qualquer poveiro de bom senso e no pleno uso das suas faculdades mentais não pode votar no CDS, sob pena de estar a caucionar as actividades que Henrique Campos Cunha e Manuel Vaz, de forma criminosa, levaram a cabo na nossa póvoa.
Este candidato do CDS, o Jorge Quintas Serrano, que se apresenta pela segunda vez a sufrágio, é o herdeiro directo dessas políticas de destruição em massa, de especulação imobiliária, de falta de ideias para melhorar a cidade, de como minorar os efeitos do cimento que Macedo Vieira descarregou em toneladas e toneladas sobre o centro, enfim um deserto total, até porque é familiar de Campos Cunha, algo que agora pretende negar como se família se pudesse desprezar publicamente. Ao que isto chegou! E tem mais: o partido pretendia ter como cabeça de lista uma figura poveira de proa, prestigiada, independente, que pudesse garantir muita simpatia entre os poveiros, mas todos recusaram e sobrou o Jorge Quê Serrano.
Isto todos os poveiros já sabiam, mas o que mais me revoltou ultimamente foi Jorge Quintas Serrano servir-se da demagogia e do populismo para tentar conquistar votos entre o eleitorado mais fragilizado economicamente, servindo-se de expedientes condenáveis. Veja nesta imagem o exemplo acabado:























vamos acabar com os parcómetros, disse ele. Eh eh eh!

Desculpe lá leitor eu rir ainda antes de começar a escrever este post. E vou interromper para rir novamente. Ora, 1, 2 e 3, vou recomeçar. Fiquei muito curioso pelos cêdêessezinhos andarem a comentar que a candidata do PS, Elvira Ferreira, não tinha uma única ideia para a Póvoa, era fraquinha, fraquinha, que até estava a precisar de ir à Sopa dos Pobres.
Pensei de imediato: vou votar no Jorge Quintas Serrano e anunciar ao mundo essa minha decisão. Sim, o povo tem que saber que o Tone Lavrador vota no Jorge Serrano. E então fui ler as propostas do candidato. Li a primeira e fiquei por ali a rir, a rir, de tanto rir até pensaram que eu estava tolinho. 
Jorge Serrano apresentou em parangonas a seguinte proposta:

JORGE QUINTAS SERRANO QUER ACABAR COM OS PARCÓMETROS NA PÓVOA

E ele justifica, pois não é homem de atirar as coisas para o ar só por atirar. Ele justifica. E justifica como?

"É uma medida fundamental para que o comércio local possa vigorar"

E pergunta o leitor: ele disse isso? Disse, respondo eu. E dirá o leitor: que tipo inteligente, sim senhora, é destes que a Póvoa precisa.
Só que há um problema: Jorge Quintas Serrano não vive na Póvoa de Varzim e quando cá está enfia-se no apartamento a 30 metros do solo, que o sogro construiu de forma criminosa, a apreciar a paisagem.
É que os parcómetros, apesar de instalados, não funcionam há pelo menos 3 anos. Leram bem: 3 anos. Valha-me Deus! Temos que ter pena.
De repente, veio-me à memória aquela outra proposta dele de colocar pinos na entrada da rua da Junqueira, para dessa forma evitar os assaltos a que a artéria havia sido sistematicamente sujeita. Só que quando sugeriu essa medida já as lojas haviam sido todas assaltadas e os donos encarregaram-se de colocar gradeamento em ferro e aço.
Valha-me Deus! Temos que ter pena.

Aqui está Jorge Serrano, o Salvador da Póvoa:


o acordo secreto


Eis a prova do acordo secreto entre Aires Pereira e o CDS, na eventualidade de sair vencedor das eleições autárquicas mas sem maioria absoluta. Há fotografias que não enganam.
Entretanto, é notório o mau-estar entre os militantes poveiros do PSD pelo facto de Aires Pereira, nos respectivos outdoors, ter prescindido da presença da equipa que o acompanha. Confesso que não sei quem é o seu número 2 e muito menos o número 3, pelo que fico ansioso em saber quem são as corujas que dão cumprimento à obrigatoriedade de ter mulheres.
Por fim, parece que a indiferença da população perante Aires Pereira tem sido a nota dominante na campanha laranja, ou a repórter da TSF mente?

Um dia depois de António Costa avisar que o principal adversário do PSD nestas eleições é a abstenção, surgiu hoje a prova na Póvoa de Varzim. A caravana social-democrata encontrou um mercado vazio e, nas ruas, apenas desinteresse e desconhecimento em relação às eleições. Ler o resto aqui





quarta-feira, 25 de setembro de 2013

clicar só na bonita



o verdadeiro aires pereira



Aires Pereira é o tipo que aparece nas festas, no sucesso, nas almoçaradas e jantaradas, entre os que o apoiam ou que, de alguma forma ele apoiou, nos sorrisos e abraços, nos beijos e nos cumprimentos. Para isso está sempre pronto. Ou quando alguma desgraça acontece para dela retirar apoios e votos, como no caso dos horticultores que viram as estufas voar.
Por exemplo, este clube, o Atlético da Póvoa que ninguém sabe muito bem o que é, mas já deve ter levado apoios financeiros da autarquia, porque só assim se justifica a presença do Aires no aniversário, terá conseguido uns premiozitos numa competição que nem sei bem qual é, mas prometo ir ver. O Aires vai lá estar em força, com sorrisos e abraços no meio dumas gajas boas que por lá andam.
Mas há o outro Aires: o que ignora a pobreza, o que vira a cara a quem está no desemprego, o que nutre ódio aos seus opositores, o que alimenta intrigas e falsidades sobre cidadãos, o que olha o município como coisa sua, como o seu quintal, aquilo de que ele dispõe a seu bel-prazer.
Esse Aires Pereira não vai estar presente no apoio a estes trabalhadores:

25 trabalhadores sem salário e sem trabalho em Amorim

terça-feira, 24 de setembro de 2013

peliteiro ataca


Jorge Peliteiro, o autor do velhinho mas fresco Impressões De Um Boticário de Província, veio dar a sua opinião sempre avalizada sobre as próximas eleições autárquicas de 29 de Setembro. Vejam aqui qual o candidato que ele apoia.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

a polémica com o debate da rádio onda viva












  
                                                                                                                                      Octávio Correia
Elvira Ferreira


A notícia surgiu com os seguintes dizeres:


Segundo a candidata do Partido Socialista, durante o debate que reuniu todos os candidatos à eleições autárquicas de 29 de Setembro, terá reparado que Aires Pereira tinha as respostas em papel para as perguntas colocadas pelo director da rádio e, dessa forma, tê-lo-á beneficiado no sentido de ter tempo para se preparar.

Digo com franqueza que não sei se Elvira Ferreira tem ou não razão, porque nem sequer vi ou ouvi o debate e nem irei fazê-lo porque não estou com um minímo de paciência.
O que sei é que Octávio Correia deixa muito a desejar no que a distanciamento pessoal e isenção diz respeito e, como director que é de uma rádio local, noto que os ditos defeitos acabam por se reflectir no tipo de conteúdo do orgão de informação respectivo.
E não é difícil recordar a subserviência com que trata Macedo Vieira, Aires Pereira e outros membros do executivo e a ferocidade com que se atira aos vereadores da oposição, nomeadamente os do PS.
Mas tudo tem uma explicação: é que para além de beneficiar das boas relações com o executivo camarário, nomeadamente ao nível da publicidade de empresas que precisam das boas graças do executivo, ao nível de apoio financeiro e até à miserável entrega do fornecimento de música na Av. dos Banhos que incomoda meio mundo. Tudo é pago com o dinheiro dos contribuintes e é dessa forma que a rádio sobrevive. Resumindo: se uma rádio como a Onda Viva caísse em desgraça junto do executivo camarário era o fim.
Supostamente Octávio Correia irá socorrer-se dos tribunais para repôr a sua honra e a da rádio, fazendo assim lembrar as famosas perseguições políticas de Macedo Vieira e Aires Pereira a Silva Garcia e Ilídio Pereira. Quando a argumentação escasseia vem o "uso da força".
Mas recordemos algo importante sobre Octávio Correia:
Há cerca de sensívelmente três anos, o director da rádio enviou uma carta para o jornal local Comércio da Póvoa de Varzim, a queixar-.se de que havia sido perseguido por uma brigada da PSP que o havia multado por não ter em dia a inspecção periódica. Recordo palavras como: "o meu carro é de alta cilindrada", "fui perseguido" ou "a PSP deve estar ao serviço do cidadão", enfim banalidades para tentar justificar o injustificável e que leva a que qualquer cidadão prevaricador deva ser punido, sem apelo nem agravo.
Mas Octávio Correia tem o seu lado prevaricador bem acentuado, talvez por se achar uma figura importante na cidade, que não é diga-se em abono da verdade, mas ele acha-se, ou "se acha", como dizem os brasileiros.
Vejamos: todos os dias, por volta das 14h30m Octávio estaciona o carrão, como ele deve achar o seu, na entrada da rua da Alegria para ir tomar o cafézinho com a esposa no Expresso, sito na Av. Mousinho de Albuquerque.
Sabe que está a transgredir, porque não é permitido parar nem muito menos estacionar naquele local.
Um dia a PSP estava a fazer uma ronda junto à Igreja São José e, claro, obrigou Octávio a estacionar noutro local, porque o veículo não estava no lugar do costume, mas o Octávio estava no Expresso. Alguns minutos depois surge ele a conduzir vindo da rua Caetano de Oliveira. Isto demonstra  a denominada "chico-esperteza" típica do poveiro que tem a mania que é gente. Tudo dito sobre Octávio?
Agora veja o vídeo sobre a sua isenção política:

video


segunda-feira, 16 de setembro de 2013

o embuste


Da sua construção se disse:

será o foco para uma nova centralidade na freguesia “é um objetivo que demorou 20 anos, que veio do meu antecessor e que consegui concluir, permitindo dar apoio a uma praia de qualidade”.

 a estrutura faz parte de um plano de requalificação da zona da frente marítima de Aver-o-Mar que irá contar no futuro com novos equipamentos.

 Questionado sobre as críticas da oposição, o presidente da Câmara, Macedo Vieira, respondeu que se trata de uma opção política e que o povo de Aver-o-Mar vai dar a resposta nas próximas eleições autárquicas. 
Penso que é um belíssimo investimento que o Município fez em Aver-o-Mar, dos muitos que é necessário fazer para reabilitar, de uma vez por todas esta vila e fazer com que não se note a diferença quando se sai da Póvoa de Varzim e entra em Aver-o-Mar. É este o nosso propósito. É este o nosso projeto daqui em diante em total comunhão de ideias com Carlos Maçães e portanto, não tenho dúvidas que esperam grandes e bons momentos para Aver-o-Mar, no futuro, garantiu o Vice-Presidente.

A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, através de Aires Pereira o candidato dos PSD às autárquicas do próximo dia 29, entendeu que para comprar o apoio de Carlos Maçães, mais conhecido por doutor, devia gastar 250 mil euros na recuperação do Bar da Praia de Quião, dessa forma tornando o local aquilo que o leitor leu mais acima.

Para comprar o candidato Maçães que veio declarar publicamente apoio a Aires Pereira foram gastos 250 mil euros.

Então vou fazer a seguinte pergunta ao meu amigo leitor que gosta de vir cá rir-se dos políticos locais: sabe quem deu o dinheiro para comprar o medíocre e os votos? Não sabe? Não posso acreditar. De certeza que o leitor não sabe?

Então eu respondo: foste tu seu burro quem deu o dinheiro e ainda te estás a rir disto que eu estou a escrever. És mesmo burro! Então eles servem-se do dinheiro dos teus impostos, do IMI que te sai do corpo, do IRS que te custa a pagar, da água e  saneamento caríssimos para fazer bares e comprar votos? E tu permites isso?

Pior ainda amigo leitor e desculpe os termos utilizados, porque eu sei que quem vem cá não é burro, mas no fundo anda lá perto, convenhamos. Eles vieram dizer que o concessionário do bar iria pagar X por mês e desse valor a Junta devolveria Y à Câmara para liquidar o valor adiantado de 250 mil euros. Mas acha mesmo que isso vai acontecer? Não me façam rir.

Agora perante as declarações acima transcritas, veja com os seus próprios olhos como está o Bar do Quião e o respectivo sucesso, por volta do meio-dia de um destes dias:



0 de clientes.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

autárquicas 2013 (10)



(…) “Do Porto a Valença, todos os autarcas têm reagido em defesa dos interesses dos seus cidadãos: independentemente dos partidos políticos a que pertencem, estão todos contra as portagens na IC1/A28! Na Póvoa, o PSD de Aires Pereira e o Presidente da Câmara Macedo Vieira põem o interesse dos poveiros em segundo plano. Manejam de forma idiota o princípio neoliberal do utilizador-pagador, e querem que todos paguemos portagens.” (…)

O leitor leia novamente este texto, por favor. Por o ter escrito num jornal local o seu autor, o Arq. Silva Garcia foi julgado no Tribunal da Póvoa de Varzim. Foi absolvido é certo, mas foi julgado e esse estigma nunca mais lho tiram. Os autores da queixa foram os tipos que estão na fotografia. Sentiram-se ofendidos com as palavras. Mas que país é este que leva um cidadão acima de qualquer suspeita a julgamento por livremente ter expressado uma opinião de cariz político? Todos sabemos quais foram as verdadeiras intenções: eliminar o melhor e mais inteligente adversário político. E foi conseguido, de uma forma ou de outra.
Ao mesmo tempo, aqueles mesmos dois indíviduos, em conluio e com o mesmo objectivo, premiavam António Dourado com uma reforma de 3 000 Euros e a nomeação para a presidência da Varzim Lazer onde auferia outro tanto e ainda se dava ao luxo de fugir para a Câmara de Caminha onde trabalhava a recibos verdes. Foi o chamado "Caso Dourado", no qual Aires Pereira e o próprio Dourado acabaram por ser condenados pelo crime de abuso de poder. Aires Pereira foi condenado como instrutor do processo disciplinar a Dourado por ter dado 5 faltas injustificadas, mas Macedo Vieira nem sequer foi constituído arguido porque, conforme foi tornado público na época, encontrava-se no Brasil a gastar o dinheiro dos contribuintes em hoteis e jantaradas e, por esse motivo, desconhecia o que entretanto Aires Pereira havia feito a Dourado. Patético no minímo. Só que quando regressou do Brasil foi o mesmo Vieira a nomear Dourado para a Varzim Lazer. Acasos do destino!
Pelos motivos que passo a expôr votarei na Drª Elvira Ferreira:

1- Por ser contra Aires Pereira;

2- Porque o Arq. Silva Garcia merece a minha solidariedade pelo que passou e porque teria sido o melhor Presidente de Câmara que alguma vez a Póvoa de Varzim teria;

3- Porque simpatizo com a Drª Elvira Ferreira.